Para que serve o doutorado? Por que investir em um?

Texto publicado na Revista “O Visconde” do Centro Acadêmico da FEAUSP, na edição III de Agosto, no. 25 (https://oviscondedotcom.files.wordpress.com/2015/08/o_visconde_agosto_2015_site.pdf).

“Nem tudo que quantificamos importa,
e nem tudo que importa pode ser quantificado.”

Albert Einstein
(Apud, What Management Is, J. Magretta, p. 119)

23395485.trapKL

Se você está no começo da graduação, esta pergunta pode lhe parecer muito distante, precipitada. Talvez você nem saiba ao certo o que é um doutorado. Tampouco para que serve este título.

Vou tentar responder estas perguntas a partir da minha experiência pessoal. Sou economista, mas acredito que estas respostas poderão servir para outras escolhas de carreira.

Vou abordar estas questões sobre dois ângulos: o racional e o emocional. Estas abordagens parecem ser diferentes, mas no fundo não são. São duas faces da mesma moeda.

Abordagem Racional

Um doutorado é um investimento estratégico de longo prazo. Estratégico porque é um investimento em você, na sua capacidade de se diferenciar de seus concorrentes no mercado de trabalho privado, público e acadêmico. De longo prazo, pois não são só os quatro anos do programa em si, mas todo um preparo intelectual e financeiro que deve começar o quanto antes, desde a graduação.

O doutorado é capaz de ensinar algumas coisas importantes, que podemos aprender também na graduação e no mestrado, mas no doutorado o nível de profundidade é mais elevado e intenso. O que o doutorado nos ensina?

1) Desenvolver uma técnica própria para estudar. Isso vale ouro, pois nunca paramos de estudar. E quando paramos, mofamos, ficamos defasados. E cada um tem um jeito próprio de estudar.

2) Pesquisar. Ouro novamente! O mundo, o Brasil, está repleto de perguntas sem respostas. De fenômenos misteriosos, tanto na academia quanto no mercado não acadêmico. O doutorado te ensina a perguntar. Depois te ensina a como tentar descobrir possíveis respostas. Por vezes, nas provas do doutorado, os professores fazem perguntas que nem eles próprios sabem a resposta. Eles querem saber se você é capaz de pensar. De fazer as perguntas corretas, de apresentar o problema e possíveis soluções.

3) Ter perseverança. Nunca me esqueço da minha primeira semana no doutorado. Conheci um doutorando que já estava no programa há quatro anos. Perguntei: “o que é preciso para fazer um doutorado? É preciso ser um gênio?” Ele me respondeu: “Não precisa ser gênio, precisa ter paciência”. Paciência, disciplina e perseverança são ingredientes fundamentais em todo o investimento estratégico de longo prazo. Desde um doutorado, um casamento, uma start-up, uma carreira,…

4) Ensinar. No doutorado há possibilidades de ajudar professores a ensinar na graduação. Isso é muito precioso. O melhor curso que fiz no doutorado, foi “Introdução a Economia”, que ensinei por 4 semestres à alunos de graduação. Uma coisa é você estudar e entender um conceito, uma metodologia. Outra coisa é você ensiná-los a outra pessoa. Se aprende muito ensinando.

Portanto, o doutor é capaz de estudar, pesquisar e ensinar com perseverança e vários graus de profundidade. Além de tudo isso, um doutorado é um título internacional. É como se fosse uma “carteira de motorista internacional”, que você pode usar no Brasil, na Austrália, onde quiser. Aumenta sua capacidade de ir e vir. Isso lhe dá opções. Em economia aprendemos que opções tem valor.

Além de abrir as portas do mundo, um doutorado também pode permitir o transito entre o mercado acadêmico e o não acadêmico (bancos, consultorias e empresas). Nem sempre o mercado sabe precificar um doutor adequadamente, mas acredito que seja questão de tempo. Este transito entre o acadêmico e o não acadêmico acredito ser de muito valor, pois é a oportunidade de articular teoria com a prática e vice-versa.

Abordagem Emocional

Repetindo: um doutorado é um investimento estratégico de longo prazo. Assim como em outros investimentos de longo prazo, por exemplo, uma carreira em uma empresa, uma start-up, um casamento, filhos, um idioma estrangeiro, um esporte, um instrumento musical, é preciso apostar. Apostar num desejo, num gostar. E, como todos os investimentos de longo prazo, não há garantias de sucesso. Mas, o desejo é fundamental.

Como você pode saber se gosta o suficiente do que faz para sustentar um doutorado?

Só o tempo dirá.

Posso adiantar-lhe que se você leu este artigo até aqui, há um desejo. Um desejo que deve ser ouvido.

Para mim, a certeza de que realmente gosto de economia demorou 20 anos. Oras, vamos ser sinceros. Estudar é árduo e pode ser bem solitário. Fazer provas então… Mas, eu consegui me graduar e fazer o doutorado. Isso tudo não se consegue sem gostar.

Depois do doutorado fui trabalhar como economista em grandes instituições no exterior e no Brasil. Tive chefes que admirei e tentei seguir, até imitar. Não havia mais provas. Mas havia metas a se cumprir.

Cometi erros, acertei também. Segui minha carreira como economista em grandes instituições. Mas, foi quando decidi abrir minha própria empresa de consultoria, quando pude escolher o que iria ensinar e pesquisar, quando pude exercer a economia da maneira que acredito ser a melhor, que percebi o quanto amo a economia. O trecho de um poema de Fernando Pessoa ilustra bem este momento de passagem:

“Senta-te ao sol
Abdica
E sê rei de ti próprio”

Descobri também o que me fascina em economia, que é seu objeto de estudo e seu método, que pode ser assim resumido:

“Cada vez mais a economia tem se tornado uma disciplina quantitativa, de números. Mas, seu objetivo primordial é explicar o comportamento humano.”

(Magretta, p. 203)

Há outros caminhos alternativos ao doutorado? Sim! Tudo depende do que ser quer e como se quer. O doutorado pode ser um destes caminhos, que começa estruturado (ex. créditos a cumprir), mas termina com você e seu desejo. Um doutorado é também um ato de empreender. E você pode empreender dentro de uma empresa existente, ou criar algo novo, por exemplo.

Independente do caminho escolhido, é preciso saber que não há atalhos. Qualquer caminho para a diferenciação sustentável vem com muito esforço, perseverança e visão de longo prazo. O desejo custa caro. O desejo próprio, mais ainda.

Por fim, independente do caminho escolhido, lembre-se que é preciso ter humildade para progredir. O que é humildade? Humildade é saber que você não é melhor ou pior porque tem um doutorado. Você é apenas diferente. Nunca se esqueça que fazer um doutorado é apenas uma etapa. Daí vem a mais importante: o que você vai fazer com seu doutorado?

Boa sorte no seu caminho.

Um abraço,

Eduardo Luzio

About Eduardo Luzio

Economista pela USP (88) e PhD pela PhD University of Illinois (93). Consultor em finanças corporativas e estratégia. Professor de finanças na FEA-USP, FGV -SP e Insper.

3 Respostas to “Para que serve o doutorado? Por que investir em um?”

  1. Edu, este artigo chegou em boa hora: em janeiro começarei o meu doutorado. Acabo de receber a bolsa de estudos! Grande abraço!

    Liked by 1 person

  2. Me admirei com sua história, você é o cara! Parabéns! Vou me especializar e me formar em Nutrição Esportiva, se Deus quiser.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: