O Fim do BTG? Parte 2

Dias de muita especulação. Negações oficiais. Explicações ansiosamente aguardadas. Sinais do mercado. Dentre estes sinais, posso citar minha experiência pessoal com o fundo de pensão complementar dos funcionários do Estado de São Paulo, SP-Prevcom, do qual sou contribuinte como professor da USP.

23395485.trapKL

No dia da prisão de Esteves, a noite, recebi o seguinte email (grifos meus):

“Diante das notícias publicadas pelos veículos de comunicação sobre a prisão do presidente do Banco BTG PACTUAL por envolvimento nas irregularidades investigadas pela Operação Lava Jato da Polícia Federal, a SP-PREVCOM informa aos seus participantes que, em prol da Ética, Transparência, Responsabilidade, Honestidade e Integridade, valores norteadores para a entidade, já iniciou o processo de escolha de um novo gestor para os investimentos da Fundação e que está atuando com rapidez e eficiência para que essa transição ocorra dentro do menor prazo legal possível.

A SP-PREVCOM aproveita ainda para informar que a transferência de todos os recursos atualmente administrados pelo Banco BTG Pactual para uma nova instituição não ocasionará nenhuma perda para os participantes, pois o FUNDO PAULISTA FIQ DE FIM CP é um fundo exclusivo, com CNPJ próprio (17.433.272/0001-88) que não tem nenhuma ligação com o patrimônio do gestor e cujos investimentos são realizados exclusivamente em títulos do Tesouro Nacional“.

Naquela mesma noite, conversando com alunos de um mestrado profissionalizante onde dou aula, ouvi relatos de outros investidores tomando a mesma atitude radical. Dois dias depois, um outro email da SP-Prevcom (grifo meu):

“Em complementação ao comunicado enviado no último dia 25, a SP-PREVCOM informa que o ITAÚ UNIBANCO foi a entidade financeira escolhida para assumir a gestão dos investimentos da fundação” (…)

Estes movimentos da SP-Prevcom ilustram:

(1) o receio dos fundos de pensão terem suas reputações contaminadas pelo escândalo Esteves-Delcídio-BTG. Como lemos no anúncio, o fundo da SP-Prevcom é construído por títulos do Tesouro Nacional, portanto imunes a uma eventual; quebra do BTG, que era um administrador terceirizado. Afinal, o mercado financeiro, como em outros mercados, o nome do jogo é confiança.

(2) se a SP-Prevcom, que tinha o BTG como prestador de serviços, se apavorou, quem dirá os investidores em títulos do BTG.

(3) desgraças de um, sorte de outros. O Itaú se deu bem…

Neste panorama, só resta ao presidente interino, Pérsio Arida, reafirmar que o BTG não esta à venda, que o BTG é muito maior que seu sócio fundador e controlador, etc. Enquanto isso, as ações (BBTG11) fecharam ontem a R$ 20,88 já perderam mais de 1/3 do seu valor em relação à máxima dos últimos 3 meses (R$ 30,61), apesar da recompra dos sócios.

 

About Eduardo Luzio

Economista pela USP (88) e PhD pela PhD University of Illinois (93). Consultor em finanças corporativas e estratégia. Professor de finanças na FEA-USP, FGV -SP e Insper.

No comments yet... Be the first to leave a reply!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: